quinta-feira, 5 de junho de 2014

PROGRAMAÇÃO DA FEIRA RENDA-SE!!!

Estamos caprichando na nossa programação especialmente para você na IV edição do Renda-se!!

Um bate-papo maravilhoso com convidados renomados do mundo da Moda, em uma tarde super agradável no Pontão Lago Sul! 

Dia 14 de Junho, sábado ás 15H30! 

Para os profissionais e apreciadores da Moda, não fique fora dessa! Mesa Redonda "Moda em Gerações" com temas atuais e para todas as idades! 

Renda-se! #rendase #mesaredonda #modaemgeracoes#fashion #style #moda #renda #batepapo

terça-feira, 27 de maio de 2014

RENDA-SE 2014

A partir de sexta-feira o Brasilia Shopping receberá a exposição TRAMAS DE ARTE, que trará ao público uma prévia do que vai rolar no Renda-se 2014. Não perca! Peças premiadas nacional e internacionalmente! Traga sua família para ver o que o Brasil tem de melhor.



domingo, 4 de maio de 2014

MAIS ESPAÇO PARA O ARTESÃO -

Mais espaço para o artesão

Brasília possui cerca de 8 mil artesãos cadastrados, segundo dados da Diretoria de Empreendedorismo e Geração de Renda da Secretaria de Trabalho. Para atender a esses artesãos, diversos espaços espalhados pelo DF foram montados, com o intuito de exposição e comercialização dos produtos pelos artistas. “E vem novidade por aí”, destacou o secretário de Trabalho, Wagner Rodrigues.
Segundo o diretor de Empreendedorismo e Geração de Renda, Anselmo Barbosa, existem dois espaços permanentes de exposição, a Feira da Torre de TV e a Feira na Torre de TV Digital. “E existem ainda vários outros pontos públicos de comercialização, como por exemplo, os oferecidos pela Rota do Artesanato na Praça do Índio, Setores Bancários Sul e Norte, Parque da Cidade, e em breve na Galeria dos Estados e em estações do metrô”, explicou Anselmo.
“Esses pontos são exclusivos dos artesãos, já que são chamadas ‘Feiras de Artesanato’, e com a ajuda da Administração de Brasília e da Coordenadoria das Cidades, há uma fiscalização para verificar o uso dos boxes”, completou o diretor.
O secretário de Trabalho, Wagner Rodrigues, explica que há uma preocupação por parte da Secretaria de Trabalho em monitorar e fiscalizar os produtos comercializados nas feiras. “Produtos industrializados não são artesanato, e portanto, não podem ser vendidos nesses pontos exclusivos dos artesãos”, disse. “Essa mistura de produtos prejudica o artista que precisa competir com um produto não-manual, inclusive no quesito preço, já que muitas vezes o artesanato precisa ser vendido por um valor abaixo do que realmente vale”, argumentou o secretário.
“A concorrência, muitas vezes, é injusta. Por isso, nossos esforços em beneficiar o artesão”, enfatizou o secretário Wagner Rodrigues, explicando que a Secretaria de Trabalho se esforça para que novos espaços sejam oferecidos aos artesãos. “A Feira do Buriti está sendo revitalizada, além das estações do metrô, que em breve, vão receber as Feiras de Artesanato”, completou ele.


 

Feira Internacional de Artesanato
A 8ª edição da FINNAR – Feira Internacional de Artesanato – começou na sexta-feira (18) e segue até o próximo domingo, 27. A Secretaria de Trabalho, junto a outros órgãos do GDF, está levando os artesãos do Distrito Federal para venda e exposição de artesanato no evento. A Feira acontece no Centro de Convenções Ulysses Guimarães.
Carteira do Artesão
Para participar de feiras e eventos de artesanato no DF e em outros estados, é necessário ter a Carteira do Artesão, que pode ser adquirida gratuitamente na Casa do Artesão, no Conic. Para mais informações sobre como obter a carteira, ligue para 3255-3861.
FONTE: http://www.trabalho.df.gov.br/noticias/item/2427-mais-espaco-para-o-artesao.html

domingo, 27 de abril de 2014

STAND DA PARANOARTE NA FINNAR/2014

 STAND DA PARANOARTE NA FINNAR/2014
- GRUPO MARIA FLOR - ITAPOÃ
- GRUPO MEIMEI - SANTA MARIA
- GRUPO RECANTO DAS ARTES - RECANTO DAS EMAS
- MONTAGEM COM PEÇAS DE FELTRO DO GRUPO GIRASSOL (CIDA)



Imagens: FINNAR - 
vhttps://www.facebook.com/FinnarArtesanato?fref=photo

sexta-feira, 25 de abril de 2014

A PARANOARTE, PROMOVE DESFILE NA FEIRA INTERNACIONAL DE ARTESANATO - FINNAR 2014

 
 
 
créditos imagens: FINNAR

A PARANOARTE, mais uma vez promoveu o desfile da FEIRA INTERNACIONAL DE ARTESANATO - FINNAR 2014

AGRADECIMENTOS:

-  FINNAR - Hilda e equipe
EXPOSITORES: todos aqueles que nos empresta suas roupas e acessórios
- PRODUTORA DO DESFILE: GISELE PARAIZO
- STILING: IRACEMA NAVARRO
- MANEQUINS:
 DIA: 20 DE ABRIL:

* BRUNA
* DANIELA KARQUIDIO
* DAVID BASTOS
* FLÁVIA
* GABRIELA SOUSA
* GABRIELATAVARES
* GABRIELA PARAIZO
* DOUGLAS
* JULIA VANY
* VALQUIRIA
* KETLEY

DIA 21 DE ABRIL: 

* DANIEL
* FELIPE
* TATIANA
* VERENA
* VITÓRIA
* WALQUÍRIA


A REGULAMENTAÇÃO DA PROFISSÃO DE ARTESÃO - MAIS UM PASSO

terça-feira, 22 de abril de 2014


Artesãos dão mais um passo rumo à formalidade


A regulamentação da profissão de artesão avançou um pouco mais na 

Câmara dos Deputados. 

 

Nesta quarta-feira (09/04), o deputado Daniel Almeida (PCdoB-BA) aprovou 

por unanimidade na Comissão de Trabalho, de Administração e de Serviço

Público (CTASP), o relatório ao PL 7.755/2010 do Senado Federal, que trata

do assunto. 

 

A matéria agora segue para apreciação na Comissão de Finanças 

e Tributação.


O projeto ainda estabelece diretrizes para políticas públicas de fomento
ao artesanato, institui a carteira profissional da categoria e autoriza o Executivo
a criar a Escola Técnica Federal do Artesanato. 

Atualmente, o Brasil conta com nove milhões de artesãos espalhados pelas 
grandes e pequenas cidades, mas a atividade enfrenta a informalidade por
não ser reconhecida como profissão.


Para Daniel Almeida, o profissional que se dedica a esta atividade deve ter 
seus direitos garantidos. “O artesanato é uma das mais importantes 
manifestações culturais de um povo, pois tem a finalidade de preservar suas 
tradições e a identidade nacional.

É uma atividade secular e até está desprotegida. O artesão deve ser protegido 
pelo nosso ordenamento jurídico”, afirmou o parlamentar.


De acordo com o presidente da Federação das Associações de Artesãos do 
Distrito Federal e secretário da Confederação Nacional dos Artesãos, 
Adivan Enéias, a regulamentação da atividade vai significar uma melhora de 
vida para a categoria.

Ele afirma que muitas técnicas têm se perdido ao longo dos anos por falta 
de incentivo. “Não temos políticas públicas que garantam que os mestres 
passem seu conhecimento aos mais jovens e isso se perde. Esse é o primeiro
passo e esperamos que com a formalização da categoria a gente chegue a 
13 milhões de artesãos reconhecidos.”


FONTE:
http://artesanatosebrae.blogspot.com.br/2014/04/artesaos-dao-mais-um-passo-rumo.html?spref=fb 

sexta-feira, 4 de abril de 2014

OPORTUNIDADES - INSTITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA - CURSO TÉCNICO EM ARTESANATO

Campus Taguatinga lança edital de seleção de curso técnico em Artesanato na modalidade PROEJA

Ter mais de 18 anos e Ensino Fundamental completo. Esses são os requisitos para concorrer a uma das 36 vagas para o curso Técnico Integrado em Artesanato, ofertado pelo Campus Taguatinga, na modalidade PROEJA.

O curso tem duração de 6 semestres e o estudante, após a conclusão, terá o certificado do Ensino Médio e do curso técnico juntos. 


Inscrições

O prazo de inscrições para este processo seletivo será entre às 8h do dia 7 de abril até às 18h do dia 25 de abril e será totalmente online, não sendo necessário a participação em palestra presencial. A partir dessa seleção, para completar a inscrição, o candidato deverá assistir a palestra por meio de vídeo online e preencher, ao término da apresentação, os códigos que foram exibidos no decorrer do vídeo.

A seleção será realizada por meio de sorteio eletrônico.


Cursos

Veja abaixo o quadro de vagas para o curso técnico - Proeja:
CampusCursoDuração do cursoTurno das aulasVagas no Total
TaguatingaTécnico Integrado PROEJA em Artesanato6 semestresNoite36
TOTAL36

Serviço

Inscrições: das 8h do dia 7 até às 18h do dia 25 de abril;
Local: Pelo site do IFB (o link será disponível no período de inscrições);
Requisitos: Ter Ensino Fundamental completo e mais de 18 anos.

Para mais informações sobre a seleção, clique aqui e acesse o edital de seleção.

quinta-feira, 27 de março de 2014

Finnar - Feira Internacional de Artesanato 2014


A Finnar - Feira Internacional de Artesanato chega a sua oitava edição em 2014. 

E já é bom você ir se preparando para viajar por diferentes culturas do Brasil e do mundo. 

Anota aí: a gente se vê entre 18 e 27 de abril no Centro de Convenções Ulysses Guimarães, em Brasília. 

Na edição do ano passado, arrecadamos 35 mil toneladas de alimentos, que foram destinados a quatro instituições beneficentes de Brasília. 

A gente espera bater esse número, novamente, com a sua doação. 

Contamos com sua presença e solidariedade.

FONTE: https://www.facebook.com/FinnarArtesanato

segunda-feira, 24 de março de 2014

CAMINHÃO-BAÚ levará artesanato do DF para todo o país




Caminhão-baú levará artesanato do DF para todo o país

  Kelly Ikuma, da Agência Brasília


A capital foi a primeira unidade da Federação a receber veículo que beneficiará cerca de 15 mil artesãos

 BRASÍLIA (19/3/14) – No Dia Internacional do Artesanato, comemorado nesta quarta-feira (19), os artesãos do DF receberam o primeiro caminhão-baú para transportar seus trabalhos para eventos de comercialização em todo o país. Mais 26 veículos, com capacidade para suportar até 11 toneladas, serão entregues pelo governo federal às outras unidades da Federação, que também receberam simbolicamente as chaves dos caminhões em solenidade realizada na Torre de Televisão, em Brasília.

"Hoje é um dia muito especial, porque festejamos o dia desses importantes trabalhadores. É uma honra e satisfação o DF ser o primeiro a receber esse veículo, benefício que estimulará nosso artesanato local, segmento que gera emprego e renda a milhares de cidadãos. Um presente como esse mostra a dedicação do governo com essa classe", afirmou o governador Agnelo Queiroz, que fez questão de ser o primeiro a ligar o novo equipamento.

As chaves simbólicas foram entregues aos representantes dos estados, que receberão oficialmente os veículos de acordo com cronograma ainda em elaboração. O ministro da Secretaria Nacional da Micro e Pequena Empresa, Guilherme Afif Domingos, não escondeu sua satisfação em conduzir a solenidade que, segundo ele, foi realizada no dia de São José, um dos maiores carpinteiros da nossa história. "O artesanato brasileiro é um dos mais procurados do mundo, por isso a necessidade de facilitar essa divulgação", informou o ministro.

Atualmente, o DF possui cerca de 15 mil artesãos, mão de obra responsável por gerar, em 2013, aproximadamente R$ 600 mil de renda. "Essa é uma grande conquista para nós, mesmo porque somente no ano passado foram realizadas uma média de seis feiras de artesanato por semana. Com esse caminhão, vamos ajudar ainda mais esses profissionais que vivem de sua arte", ressaltou o secretário de Trabalho, Renato Andrade dos Santos.

OPORTUNIDADE – Artesãos brasilienses e de outras partes do país podem se inscrever até o dia 6 de abril, para participar de exposições e estandes de vendas de artesanato brasileiro durante a Copa do Mundo. A exigência é que os candidatos estejam inscritos no Sistema de Informações Cadastrais do Artesanato Brasileiro, coordenado pelo Programa do Artesanato Brasileiro.

INCENTIVO – O programa "Agora Eu Tô Legal", da Secretaria da Micro e Pequena Empresa, disponibiliza crédito orientado, juros reduzidos e serviços de cartão de crédito, para o desenvolvimento de programas de fomento como o Prospera-DF, programa de microcrédito cujo objetivo é fortalecer os empreendimentos de baixa renda dos setores populares, informais e formais das áreas urbanas e rurais e proporcionar geração de renda.

(K.I./M.D.*)
FONTE: http://www.df.gov.br/noticias/item/13009-caminh%C3%A3o-ba%C3%BA-vai-levar-artesanato-do-df-para-todo-pa%C3%ADs.html

segunda-feira, 17 de março de 2014

19 de março - Dia do Artesão




Está chegando a hora de festejarmos!!!

O principal motivo para festejarmos é que os anos passam, as novas tecnologias vão surgindo mas, essa profissão ainda persiste, insiste.....

A palavra “artesão” significa “indivíduo que pratica arte ou ofício que dependem de trabalhos manuais”, isto quer dizer que qualquer peça produzida pelo artesão é única e foge de qualquer processo de produção em série realizado por indústrias. 

Considerado patrimônio cultural, o artesanato é feito a partir de materiais típicos de cada lugar, como sementes, cerâmica e madeiras. 


Por trás de cada representação simbólica existe uma pessoa que faz daquela arte sua forma de vida e sustento. 

Para homenagear tais profissionais, foi instituído no dia 19 de março o “Dia do Artesão”. VIVA!!!

NA ÍNTEGRA - Discurso DO SENADOR RODRIGO ROLLEMBERG SOBRE OS AVANÇOS DO SEGMENTO ARTESANAL NO DF

Atualizado em :19/03/2014
Dia do Artesão
 
O SR. RODRIGO ROLLEMBERG (Bloco Apoio Governo/PSB - DF. Pronuncia o seguinte discurso. Sem revisão do orador.) – Sr. Presidente, Srªs e Srs. Senadores, Senadora Kátia Abreu, Senador Suplicy, hoje, dia 19 de março, o Brasil celebra o Dia do Artesão, instituído entre nós por meio da Lei n° 12.634, de 2012. Durante meus mandatos, como Deputado Federal e agora como Senador da República, sempre apoiei muito fortemente os artesãos do Distrito Federal e do Brasil. E, neste dia dedicado a eles, gostaria de registrar desta tribuna que continuarei a defender a regulamentação desse ofício tão importante para o nosso País.

Atualmente, temos cerca de 8,5 milhões de brasileiros que sobrevivem da produção artesanal, 40% deles localizados na Região Nordeste. O Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior estima que o setor movimente algo próximo a R$30 bilhões por ano. Mas, apesar disso, a profissão sequer existe oficialmente no nosso País, e os artesãos permanecem marginalizados, sendo explorados pelos atravessadores e oportunistas de toda sorte, que acabam se beneficiando da falta de regulamentação dessa atividade. Fica evidente a falta de interesse político nessa questão.

Um dos primeiros projetos de lei propondo regulamentar a profissão foi apresentado no distante ano de 1990, pelo então Deputado Afif Domingos. De lá para cá, diversos foram os projetos nesse sentido, inclusive um bastante completo apresentado pelo Deputado Eduardo Valverde, em 2004, que ficou notabilizado como projeto do Estatuto do Artesão.
 
Pois bem, Sr. Presidente, Srªs e Srs. Senadores: todos esses projetos de lei foram sucessivamente arquivados por motivos regimentais, já que não tiveram sua tramitação concluída ao término das respectivas legislaturas.
 
Hoje, na Câmara dos Deputados, temos cinco projetos de lei que procuram dar um tratamento para a matéria: o PL n° 4.511/2012, da Deputada Gorete Pereira; o PL n° 3.795/2012, da Deputada Jandira Feghali; o PL n° 925/2011, do Deputado Antônio Roberto; o PL n° 763/2011, do Deputado Padre Ton; e o PL n° 7.755/2010, de autoria do Senador Roberto Cavalcanti, que se encontra tramitando naquela Casa Legislativa.
 
Aqui no Senado, apresentei o PLS n° 74/2011, que inclui o artesão como segurado especial da Previdência Social. Esse projeto eu já havia apresentado na Câmara dos Deputados, mas ele foi arquivado pelo mesmo motivo, porque chegou o final da legislatura sem ter sido concluída a sua tramitação. Também a Senadora Angela Portela apresentou o PLS n° 157/2012, propondo o Estatuto do Artesão, projeto esse que se encontra na CAS para ser relatado pela Senadora Ana Rita.
 
Diversos Deputados e Senadores vêm tentando, ao longo das últimas legislaturas, sem sucesso, regulamentar a profissão de artesão. Mas a matéria não avança e acaba sendo arquivada.
 
Com toda a sinceridade, Sr. Presidente, eu não consigo entender por que tanta má vontade para com os artesãos do nosso País. Recentemente, o Congresso Nacional regulamentou, com muita propriedade, a profissão de vaqueiro, definindo as atividades que lhes são típicas. Por que não fazer o mesmo com os artesãos?
 
Mas, apesar disso, a categoria vem alcançando algumas importantes vitórias, que pude acompanhar bem de perto.
 
Uma delas foi o lançamento, em 2012, do novo cadastro dos artesãos, denominado de Sistema de Informações Cadastrais do Artesanato Brasileiro (Sicab). Esse sistema simplifica o cadastro dos trabalhadores e permite a emissão da Carteira Nacional do Artesão e da Carteira Nacional do Trabalhador Manual.
 
Destaco também as mudanças das regras do Fundo Constitucional do Centro-Oeste – vitória importante para o fortalecimento da cadeia produtiva da Região, que beneficia o artesanato local.
 
Parabenizo ainda as instituições e os segmentos da sociedade que, com suas iniciativas, ajudam a fortalecer o artesanato e a economia solidária. Entre eles o Sebrae/DF, que realizou estudos iconográficos com a participação de pessoas engajadas no trabalho de valorização do artesanato. A Fundação Universidade de Brasília também, que tem promovido ações de extensão universitária, em parceria com o Fórum de Economia Solidária. O Museu Vivo da Memória Candanga, responsável por ações de capacitação e desenvolvimento produtivo do setor – ainda hoje, houve uma sessão solene lá, promovida pelo Deputado Joe Valle, de homenagem aos artesãos que desenvolvem o empreendedorismo sustentável no Distrito Federal. E parabenizo as diversas associações, cooperativas e redes de economia solidária que não desistem de lutar pelos artesãos do Distrito Federal e do Entorno.
 
Mas, Sr. Presidente, Srªs e Srs. Senadores, precisamos avançar ainda mais.
 
Pouco está sendo feito para garantir a divulgação do nosso artesanato durante eventos da Copa do Mundo. A falta de integração entre as áreas de cultura, turismo e desenvolvimento econômico também colabora para que o artesanato de Brasília perca oportunidades de se desenvolver mais e se tornar uma atividade cada vez mais relevante economicamente. Faltam espaços de comercialização dos produtos, as estruturas estão sucateadas, e a burocracia excessiva dificulta a organização de eventos e de atividades permanentes.
 
Precisamos ter um grande centro de referência do artesanato no Distrito Federal, para possibilitar a venda para turistas brasileiros e estrangeiros. Um centro de artesanato que não seja apenas dos brasilienses, mas de todos os brasileiros, já que Brasília é a capital do País. Um centro moderno, com recursos tecnológicos e espaços adequados para cursos de qualificação, além de estruturas para feiras e outros eventos.
 
Além disso, naturalmente, precisamos regulamentar a profissão de artesão, definindo com clareza o que é artesanato e o que caracteriza o chamado "industrianato”. Precisamos viabilizar o acesso ao crédito para cooperativas de artesãos e o contato direto com fornecedores de matérias-primas e de insumos, bem como organizar o calendário de eventos e feiras de artesanato em todo o País. Precisamos, urgentemente, garantir o acesso à Previdência Social para todos os artesãos do nosso País.
 
O Programa Nacional do Artesanato saiu do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior e perdeu orçamento na Lei Orçamentária Anual. Hoje, passou a ser apenas uma ação dentro da Secretaria Nacional de Micro e Pequena Empresa, com status de Ministério vinculado à Presidência da República, sem recursos específicos para o fortalecimento do setor. Tenho certeza de que os artesãos brasileiros merecem mais! É preciso considerar o artesão um empreendedor, sem desconsiderar sua essência artística – daí a necessidade de maior integração das políticas públicas de geração de trabalho e renda e de valorização da produção cultural e artística, que é tão característica desde setor.
 
Assim como o Distrito Federal tem vocação para a área de tecnologia, de informática, para o surgimento de bandas de rock, também tem vocação para o artesanato.
 
Eu vejo no artesanato uma das vocações do Distrito Federal porque nós aqui recebemos pessoas de todos os cantos do Brasil, que trouxeram as tipologias de suas localidades e, com a inserção dos designs locais, criaram uma identidade diferenciada, uma identidade do Distrito Federal. Isso é tão verdade que o Primeiro Mapa do Artesanato Brasileiro, elaborado pelo Ipea, em 2011, identificou que o Distrito Federal se destaca no artesanato em barro, em madeira e na tecelagem.
 
E aqui, Senador Suplicy, eu quero lembrar que, logo que assumi a Secretaria de Inclusão Social, do Ministério da Ciência e Tecnologia, fui me aconselhar com Miguel Arraes, então Presidente do nosso Partido, três vezes Governador de Pernambuco. Eu não me esqueço de que o Dr. Arraes, naquele momento, me recomendou que visitasse as cidades de Jardim de Piranhas, no Rio Grande do Norte, São Bento, na Paraíba, Santa Cruz do Capibaribe e Toritama, em Pernambuco. O que essas cidades têm em comum? Em todas elas, praticamente todas as pessoas estavam trabalhando.
 
Quando houve a crise da produção algodoeira, em função da liberação das importações de algodão e em função da praga do bicudo, a indústria, o polo que existia em Americana quebrou. Uma pessoa foi lá, comprou, como sucata, aqueles teares manuais de lançadeiras e levou para a cidade de Jardim de Piranhas. Ali, praticamente todas as casas mantinham esses teares em funcionamento. As pessoas produziam panos de prato, panos de rede, a Governadora do Rio Grande do Norte criou um sistema especial de formalização, e a cidade vivia em função disso.
 
Na cidade de São Bento, na Paraíba, próxima de Jardim de Piranhas, as pessoas, através da produção familiar, nas suas próprias casas, produziam bonés e redes. Muitas redes vendidas nas ruas por todo o Brasil são produzidas em São Bento, na Paraíba. Em Santa Cruz do Capibaribe, temos as cooperativas de facção. Ali vemos cooperativas com 300, 400, 500 mulheres montando as peças de bermudas, de camisetas, com grande parte da população empregada.
 
Em Toritama, em Pernambuco, 15% do jeans brasileiro são produzidos também por indústrias familiares ou por pessoas nas suas próprias residências.
 
Ao voltar e conversar com o ex-Governador Miguel Arraes, ele sugeriu que desenvolvêssemos um trabalho de apoio ao artesanato local, às costureiras, às bordadeiras, às crocheteiras, no Distrito Federal e na região do Entorno a partir da cultura local, do conhecimento que essas mulheres já tinham dessas áreas, mas investindo na formação, investindo na qualidade dos produtos, investindo em design, investindo na comercialização e em modelos de gestão. E o Dr. Arraes, naquela ocasião, me disse uma coisa de que eu jamais me esqueci. Ele me disse que, quando se investe nas mulheres, a capacidade de inclusão social é muito maior, porque o dinheiro recebido pelas mulheres é investido nas famílias, nos filhos, havendo, portanto, um processo de inclusão social muito maior, a melhoria da qualidade de vida da comunidade é muito maior. Além disso, com a renda obtida com esses trabalhos, as mulheres se empoderam na relação familiar. 
 
E foi assim que, na Secretaria de Ciência e Tecnologia para Inclusão Social do Ministério da Ciência e Tecnologia, nós apoiamos fortemente a formação de cooperativas, de núcleos de produção de costura, de bordado e de artesanato no Distrito Federal e em vários locais do País. 
 
Durante o meu mandato de Deputado Federal pude acompanhar a estruturação desses grupos de artesanato no DF, inclusive na área rural. Vários projetos beneficiaram diretamente mais de duas mil pessoas. Foi um esforço conjunto de várias organizações, do qual pude participar destinando, inclusive, recursos em emendas parlamentares. 
 
E também é importante registrar, Senadora Kátia Abreu, o papel do Senar aqui, no Distrito Federal, no sentido de organizar, de fomentar a produção artesanal no meio rural do Distrito Federal. Precisamos garantir a continuidade desses projetos. Infelizmente, as associações, cooperativas e organizações não governamentais que promovem o artesanato não recebem os incentivos necessários para firmar parcerias com o Poder Público. Isso gera frustração e diminui a eficácia dos recursos investidos.
 
Quero, neste momento, neste dia 19 de março, dia de São José, parabenizar todos os artesãos do Distrito Federal e do Brasil, cumprimentando-os pelo grandioso serviço que prestam a todos nós. Que o Congresso Nacional possa, com a maior rapidez, regulamentar essa profissão tão antiga quanto a própria humanidade, para que possamos garantir um futuro melhor, incluindo direitos previdenciários, para todos os nossos artesãos.
 
Muito obrigado, Sr. Presidente.
Fonte: http://www.rollemberg.com.br/discursos.php?mod=11546
 

quinta-feira, 6 de março de 2014

EDITAL - Seleção de 60 mil peças artesanais para exposição e comercialização na Copa

Edital prevê seleção de 60 mil peças artesanais para exposição e comercialização na Copa


27/02/2014 - 11:59
O projeto Vitrines Culturais recebe inscrições até 6 de abril. Obras terão visibilidade nas cidades-sede do Mundial de 2014
 O edital Vitrines Culturais, aberto até 6 de abril, vai selecionar 60 mil peças que expressem valores culturais brasileiros. 
Haverá exposição e comercialização do material selecionado durante a #CopaDasCopas em espaços culturais das cidades-sede.

Podem participar artesãos brasileiros de qualquer parte do país, de forma individual ou por meio de grupos produtivos, núcleos, associações ou cooperativas. 
A exigência é que os candidatos estejam cadastrados no Sistema de Informações Cadastrais do Artesanato Brasileiro (Sicab), coordenado pelo Programa do Artesanato Brasileiro (PAB).

O projeto Vitrines Culturais é coordenado pela Secretaria da Economia Criativa do Ministério da Cultura, em parceria com a Secretaria da Micro e Pequena Empresa, vinculada à Presidência da República, e do Sebrae.

Também participam do projeto o Sebrae, o IPHAN e o Ministério do Desenvolvimento Agrário, por meio do projeto Talentos do Brasil Rural Contemporâneo.

Fonte 1 : Ministério da Cultura



Fonte 2 : http://www.copa2014.gov.br/pt-br/noticia/edital-preve-selecao-de-60-mil-pecas-artesanais-para-exposicao-na-copa